22 de set de 2016

Encontro de categorias marca paralisação geral em BH


                                                                 Foto: Isis Medeiros

Os protestos dos(as) trabalhadores(as) começaram cedo em Minas Gerais e seguiram pipocando em diversos locais de Belo Horizonte nesta quinta-feira(22), Dia Nacional de Paralisação.   Milhares de trabalhadores  se uniram em passeata contra a retirada de direitos e pararam o centro da capital mineira. Antes do encontro na Praça Sete, coração da cidade, as diferentes categorias de trabalhadores(as) públicos e privados fizeram atos em locais diferentes. A CTB, em conjunto com todas as centrais, federações, sindicatos, movimentos sociais e estudantis ecoaram o grito de Fora Temer e denunciaram os diversos retrocessos que o governo golpista anuncia para o povo brasileiro. 

As mobilizações iniciaram às 5 horas da manhã com protesto dos metalúrgicos. Organizados pelas três federações, FeMetal, FEM/CUT e FitMetal, a categoria fechou por mais de uma hora a pista do anel rodoviário, Belo Horizonte. Logo após, parada na entrada do turno dos trabalhadores da Stola do Brasil , empresa metalúrgica e fornecedora da Fiat Automóveis. 

Em seguida, a concentração dos eletricitários aconteceu em frente à Companhia Energética de Minas Gerais (Cemig), na avenida Barbacena. As categorias se unificaram, petroleiros, metalúrgicos, trabalhadores dos Correios e eletricitários seguiram em caminhada até a praça Sete. Por volta das 11horas, se juntaram mais uma vez  aos servidores públicos e professores da rede pública e marcharam em passeata até a Assembleia Legislativa (ALMG).



Durante todos os atos, os(as) trabalhadores(as) protestaram contra a reforma da previdência, o corte dos direitos trabalhistas e o desmonte dos serviços públicos. 

Uma audiência pública na ALMG sobre a Proposta de Emenda à Constituição (PEC) 241/16 encerrou o dia de paralisações. A chamada PEC do desmonte foi duramente criticada durante a audiência. A PEC 241/16 faz parte do pacote golpista que tramita no Congresso e pretende congelar os gastos públicos nos próximos 20 anos.    

    








                                                                               Foto: ALMG


Luta por direitos mobiliza trabalhadores rurais do Vale do Rio Doce


Cerca de 59 Sindicatos de Trabalhadores Rurais da região do Vale do Rio Doce uniram-se, na tarde de ontem (19/09), em uma mobilização em defesa da manutenção dos direitos dos trabalhadores rurais na previdência social. Mais de três mil lideranças e trabalhadores participaram de uma caminhada histórica pelas principais ruas de Caratinga.

O objetivo da passeata foi chamar a atenção para a reforma da previdência social que, se concretizada, pode retirar os direitos conquistados pela categoria ao longo dos anos.

Hoje, pelas regras vigentes, homens que trabalham no campo podem se aposentar aos 60 anos de idade e mulheres, aos 55 – ambos com um salário mínimo, mesmo tendo cumprido apenas atividade rural. Com as possíveis alterações, seriam postas iguais a idade de aposentadoria entre urbanos e rurais. Assim, os homens e as mulheres do campo passariam a se aposentar com 65 anos de idade.

O presidente da Fetaemg, Vilson Luiz da Silva, ressalta que a iniciativa serve para manifestar a disposição de lutar contra a reforma da previdência e contra a precarização dos direitos – de ativos e aposentados. “Não acreditamos que a Previdência esteja deficitária. Muito pelo contrário, há superávit. Trabalhadores do campo e da cidade precisam estar unidos para evitar o retrocesso de direitos garantidos constitucionalmente” afirmou.


O servidor público de Governador Valadares e diretor José Carlos Maia da CTB também presente no ato afirma: "A unidade dos trabalhadores do campo e da cidade é fundamental neste momento, daí o apoio integral da CTB a esta manifestação".  Manifestações como esta vem acontecendo em todo o estado. “A intenção é mostrar para o governo que os trabalhadores e trabalhadoras rurais estão unidos e organizados na luta para manter seus direitos”, afirma Juliana de Souza Matias, diretora da Fetaemg Polo do Vale do Rio Doce e Diretora Juventude da CTB Minas.